Outono*


pessoas queridas fazem marmelada e partilham.
quem passa cá por casa sabe que tenho sempre comida em cima da mesa da sala. a mesa da sala nunca é cenário de revista de decoração porque há sempre uma caixa com biscoitos, um taça com fruta, frascos de compota, uma chávena perdida ou um bule com restos de chá. a mesa é para sentar e ali estar um bocadinho a petiscar, em qualquer altura do dia, e sabe-me sempre bem vê-la recheada de coisas boas para atacar quando o cansaço já pesa durante um dia de trabalho. nessas alturas salto do escritório para a sala e estou lá uns 5 ou 10 minutos, é o tempo do cigarro que não fumo.
agora tenho umas taças de marmelada que me vão ajudar a substituir os montes de manteiga que como com pão durante o dia.
obrigada Teresa*

fazer trinta menos um: o melhor presente


Faltava aqui dizer qualquer coisa sobre o meu aniversário, que foi tão bom quanto assustador. Isto de chegar aos 30 quando ainda não se tem muita coisa tomada como certa (mesmo que isso seja sempre um erro) é complicado.
Entrei em modo aniversário durante 3 dias e digo-vos, se puderem façam o mesmo. No dia 9 foi realmente o dia do meu aniversário, jantei em modo família  e no sábado fiz uma festa menos calminha para os amigos de quem tanto gosto. Foram os dois dias muito bons mesmo!
Tive dias de descanso graças ao meu sócio mais querido, e tive tempo para preparar a minha festa como eu gosto, com decorações bonitas e tudo preparado para receber as minhas pessoas. Sei que andei atrás de toda a gente a dizer para comerem e por isso peço desculpa, queria o melhor para vocês, acreditem! :p
Vou mostrar aqui todos os presentes bonitos que recebi, e algumas fotografias da festa, mas hoje vou falar do melhor presente que recebi. Tenho a certeza de que ninguém se vai importar por tê-lo eleito o melhor.


Aqui há uns meses, espetei com uma imagem de uma manta linda de morrer, feita por uma das bloggers que sigo religiosamente, na página da minha mãe com um "quero isto!". Sei que ela tem jeitinho e por isso é que a quis partilhar (pensei logo, a minha mãe fazia isto!) mas sei também que era coisa para dar muito trabalho e que ela tem mais que fazer à vida. A minha mãe  já não tem tempo para se alapar no sofá a fazer coisas à mão mas, por outro lado, é uma daquelas pessoas que adora dar-me prendas e surpreender-me, coisa que tem sido mais difícil agora do que nos tempos em que eu não tinha rendimentos e quando queria alguma coisa tinha mesmo de pedir.

Cheguei a sofrer nas mãos desta senhora. Se havia alguma coisa que ela achava que me ia fazer delirar ainda me fazia sofrer um bocadinho antes do momento de satisfação. Um ano disse-me "raquelinha, este ano a mamã e o papá não podem dar muita coisa, mas para o ano vai ser melhor" e dá-me uns pares de meias que me fizeram acreditar que naquele ano era só mesmo aquilo. A raquelinha, fofa como só ela, ainda queria largar umas lagrimazitas mas a pena pela situação dos pais era tanta que não os queria deixar tristes e aguentava. Depois vinha a bonecada e a tralha que tinha sido pedida e pronto, a minha mãe sentia que o dever de surpreender a cachopa tinha sido cumprido.
O meu mac, por exemplo, estava esgotado, só lá para fevereiro é que receberíamos a encomenda. Às 10 para a uma, depois de se terem aberto as prendas todas à meia noite e eu ter recebido uma coisa  simbólica, lá veio ele parar-me às mãos (eu devia ter desconfiado).



Este ano voltou a deixar-me de lágrima no olho, mas desta vez sem truques. Quando abri o presente e percebi que estava ali a manta, que eu por acaso partilhei no mural dela, fiquei contente e babada por ter tido esta prenda feita por ela durante noite e noites, quadradinho por quadradinho! É linda de morrer e adoro-a mais ainda por ter sido feita pela minha mãe.
E eu a pensar que não havia nada que me pudesse surpreender.


o outono mais bonito do instagram



Não, não são minhas estas fotografias bonitas. São as dos outros, que eu sigo, e para onde eu babo ou fico roída de inveja por não serem minhas. O Outono chegou e eu adoro esta mudança, mesmo que já pareça inverno e que o meu estendal tenham migrado para o meio da sala de estar.
E estas são mesmo fotografias bonitas que eu só queria deixar aqui, juntamente com os nomes das pessoas que as tiraram. Se quiserem andar bem dispostos e cheios de vontade de fazer coisas adicionem gente fixe no instagram, prometo que funciona!

de cima para baixo e da esquerda para a direita:

#jelliottblake
#megangilger
#andrewknapp
#sydneyliann

perdi a cabeça, comprei casa!

Uma casita muito em conta, de lata, mas que me obrigou a trazê-la para casa. Os dias cinzentos e frios trazem destas coisas boas, as velas e as luzinhas pela casa. Odeio luzes fortes, há quem diga que eu sou o morcego desta casa, adoro candeeiros com luzes simpáticas e velas mas no verão não há quem aguente sequer olhar para elas. Fico mesmo contente quando já posso ter destas coisas cá em casa.

Quem me conhece sabe também que gosto de casas, eu adoro casas! Podia passar a vida a mudar a minha e a dos outros, e sempre que ando na rua gosto de olhar para algumas que se deixam visitar pelas janelas (tenho limites, não me entendam mal). Acho que gosto desta casa por isso, vejo luzes a sair das janelas, e sempre posso ir sonhando com uma assim para mim, um dia...

boa semana para todos :)