adeus natal.



Passou mais um natal.
Por estes lados é um tema delicado porque eu tanto gosto como não gosto nada dele. Gosto de festas e gosto de juntar amigos, gosto de celebrar todo o tipo de ocasiões. Venha o aniversário, a passagem de ano, o S.João que eu estou aqui pronta para eles, mas nessas alturas podemos planear à vontade, escolher com quem vamos passar esses dias e se não for espectacular não é nenhum drama.

No natal a coisa muda de figura para quem, como eu, gostava de ter à mesa uma família grande e cheia de boa disposição. A verdade é que sempre fomos poucos e cada vez somos menos. O natal sempre foi passado com quem já estava por perto durante todo o ano, e se houve natal em que senti que aquilo era mais do que comer e receber presentes foi aquele em que vim de Barcelona depois de uns meses longe.
Sei que há muita gente que passa desta forma, com poucas pessoas, e gosta, eu sou mais esquisita e não consigo achar piada nenhuma. O que me valeu foram os dois dias de descanso no sofá. O natal também pode significar uma pausa no trabalho, uns dias extra de férias, e isso só pode ser uma coisa boa.

Este natal foi o primeiro em casa da minha mãe, a casa que é para mim a mais confortável, a seguir à minha, e isso já foi uma coisa boa. Foi passado entre três mulheres e um gato e pelos vistos vai continuar a ser assim. O remédio é comemorar a época durante o mês de dezembro com jantares e lanches entre amigos, e com trabalho bonito que nesta altura também fica todo com cheirinho a natal.
Um dia há-de ser diferente. Pode ser que venha a ter uma família maior à mesa, mais risos e parvoíces. Se assim não for desconfio que serei a senhora dos gatos e passarei a noite a ver o circo na televisão e a beber vinho com seis gatos aos pés.

Agora vem aí a passagem de ano, que eu adoro mesmo que a festa acabe por ser fraquinha. Mudar de ano é poder mudar muita coisa, poder começar de novo, comer passas horríveis, poder fazer planos e esquecer coisas más.
Adeus natal, até para o ano!


8 comentários:

  1. Compreendo o que queres dizer...com essa história dos gatos aos pés fizeste tanto lembrar-me uma amiga minha!! :) vais ver que a família, um dia, há-de aumentar. Que entres em grande no novo ano :D também adoro a noite, a festa e as passas horríveis (Detesto, mas tenho mm que pedir os meus 12 desejos hehe) **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ju!
      um óptimo ano para ti também, e que comece com as passas horríveis :p *

      Eliminar
  2. Venham os planos e as comemorações cá em casa! Eu estou a mudar quase tudo de sítio e a notícia boa é que pelo menos está mais quente! :)
    (e mesmo que passes o Natal com 6 gatos aos pés, vais ser sempre uma grande Mulher, de quem gosto e me orgulho muito por ter como amiga*)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ouvi dizer que temos casa quentinha!
      obrigada do fundo do meu coração pequenino, todas as palavras e carinho* (ajudam assim um bocadinho grande)

      Eliminar
  3. Olá Raquel.
    Não sei se conforta ou se ajuda - sei lá - mas sei bem o que sentes. Revi-me em tudo o que escreveste com à excepção que, por cá, somos 3 mulheres, um gato e uma gata. Mas a esperança de um dia der uma mesa farta, de ter miúdos a correr, de ter uma família a sério (não que nós as três não o sejamos, mas you know what i mean) à volta de uma mesa farta... Essa ainda cá está. Talvez um dia.
    Mas para já, o rumo que a vida tomou e que me tornou os natais assim, faz com que seja tudo tão ambíguo nesta fase.

    Que seja um óptimo 2014! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh... mais uma desgraçada como eu :p
      bem, espero mesmo mesmo que um dia possamos andar aqui a falar dos nossos natais cheios de tudo!
      espero que os teus um dia mudem, tal como os meus, e que tenhas um ano novo cheio de coisas boas também :)

      muitos beijinhos!

      Eliminar
  4. É tão eu este post! Compreendo perfeitamente. Toda a gente sempre super entusiasmada por causa do Natal e eu, honestamente, cada vez lhe acho menos piada. Porque também eu gostava de ter uma família gigante, e que se cantassem músicas de Natal, e que se contassem piadas e nos ríssemos até doer a barriga. Mas não, somos poucos, e cada vez seremos menos.

    Catarina*

    http://day-dreamer.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que vale é que somos novas e muita coisa ainda pode mudar, não é? ;)
      vamos esperar que sim porque eu quero poder delirar com o natal!

      beijinhos Catarina :)

      Eliminar